LYZ PARAYZO . PARAYZO

17 Novembro 2022
Installation Views
Apresentação

PARAYZO

 

Para a artista e ativista Lyz Parayzo, o mundo é um campo de batalha e, sua arte, munições. Ao lidar com as violações que sua identidade trans feminina catalisa diariamente, sua tática tem sido se infiltrar em espaços de poder a fim de amplificar  e difundir suas idéias para o público. Para isso, ela assumiu o desafio de conceber obras de arte que pudessem ser catalogadas, exibidas e adquiridas por coleções,  ao mesmo tempo em que proporcionam um meio adequado para destacar e questionar a ausência de corpos dissidentes em tais espaços.

 

Impulsionada por esta necessidade vital de autorrepresentação, Parayzo foi concebida como uma instalação imersiva que incentiva a participação física e intelectual do visitante através da criação de um ecossistema interativo. A exposição encapsula um organismo de arquiteturas biológicas no qual cada uma de suas células é formada pela rotação de uma linha, contando com uma interpretação orgânica da abstração geométrica. Ela marca o auge dos 5 anos de exploração no domínio da escultura e da joalheria com o metal, material que a artista recupera com  destreza do reino hiper masculino da solda para ofuscar as concepções binárias de gênero.

 

Por outro lado, esta nova pesquisa sobre movimento não é apenas uma continuação de sua série de objetos de autodefesa (que citam plasticamente a estética concreta baseada em conceitos como gestalt, cut and fold), mas é também uma tentativa de espacializar seu trabalho e criar novas áreas de tensão e atenção dentro do espaço expositivo. Em sua reinterpretação da escultura cinética e ótica, ela extrai de uma herança construtivista internacional - uma herança que não está, como sua vertente neoconcreta no contexto brasileiro, relacionada à colaboração do  público, mas sim na intenção oposta de tornar o espectador ativo através do simulacro do perigo. Ao fazer isso, ela também empreende a reapropriação de um território historicamente reservado às elites cis-heteronormativas.

 

Perseguindo o impulso concretista de interação entre o público e a obra, a artista estabelece uma relação direta entre o visitante e suas esculturas metálicas. Isto é especialmente verdadeiro para suas serras giratórias, ou "móbiles": estas entidades dentadas de alumínio giram mecanicamente sobre seu próprio eixo, e são intercaladas nas duas salas que compõem a exposição de modo a delinear o caminho do espectador em torno do espaço expositivo - a ameaça de lesão física inspirada por sua proximidade  é, neste caso, muito real. Cercados por halos de luz cor-de-rosa, os celulares simultaneamente convidam e repelem, articulando assim uma dicotomia entre as concepções universais de feminilidade e a violência evocada pela mobilidade e materialidade da obra.

 

Esta mesma tensão ecoa na série de pequenos trabalhos de Joias Bélicas, que podem ser vistos como testamentos materiais para as histórias orais de travestis que Lyz Parayzo encontrou ao longo de seus anos como estudante de belas artes na sua cidade natal, o Rio de Janeiro. Tanto como acessórios vestíveis quanto como peças de arte, a funcionalidade das joias é compensada por suas bordas afiadas e desenho serrilhado - a evocação simbólica da autodefesa em suas esculturas de grande escala é aqui atualizada no potencial da obra para ser usada como instrumento de retaliação. Neste mecanismo está o cerne da obra da artista: por mais que a instalação em vista seja composta de objetos estéticos polidos, estes são de fato armas de sobrevivência. Através delas, ela conduz uma estratégia terapêutica para redistribuir as violências que são constantemente cometidas sobre seu corpo. As outras estruturas que revestem as paredes da primeira galeria reproduzem este sentimento belicoso - talvez o mais flagrante, o Escudo Ouriço. Esta estrutura está impondo-se a uma altura de 2,4 metros no centro da parede principal da galeria. Em sua monumentalidade extravagante, ele simboliza o desejo da artista de se afirmar em uma realidade social que rotineiramente obscurece e afasta os sujeitos não-heteronormativos. Nas próprias palavras de Lyz: "Eu nunca fui convidada a estar no espaço da arte. Eu tive que conquistar este lugar com violência". A arte, em sua prática, é continuamente ativada como um instrumento de resistência através do qual se perturbam e ressignificam as sedes culturais do poder tradicionalmente ocupadas por artistas brancos, cis-masculinos. Ao mesmo tempo em que ela aborda questões de performatividade e gênero que são onipresentes em uma leitura pós-estruturalista da sociedade, seu trabalho está enraizado em uma produção simbólica que é específica da América Latina.

 

Dispostas em um dos cantos da primeira sala, as instalações murais "popcretos" fazem referência à fase de ressignificação do Concretismo na obra do artista italiano Waldemar Cordeiro, autor do manifesto concreto brasileiro. Alusões ao projeto neoconcreto colocam a prática da artista em constante diálogo com o  local e o global: seu trabalho se situa na intersecção entre as questões universais relacionadas às identidades de gênero não-conformes e as realidades subjetivas do contexto latino-americano que resultam de uma história violenta de colonialismo e miscigenação.

 

A exposição conclui com um trabalho audiovisual que fornece uma visão sobre os diferentes elementos que compõem Lyz Parayzo, ao mesmo tempo em que expõe didaticamente as questões que são enfrentadas coletivamente pela comunidade T no Brasil hoje. Exibida na segunda sala, Cavalo de Tróia mergulha na jornada pessoal da artista como aluna de mestrado na prestigiosa Escola de Belas Artes de Paris, onde ela lida com questões de disforia e construção da identidade. Com o uso de imagens simbólicas e cenários oníricos, ela retrata visualmente uma realidade na  qual um corpo de imigrantes trans pode ter acesso à educação e à profissionalização. Parayzo depende da crença na construção de novos imaginários para finalmente moldar as realidades vividas dos corpos marginais. Ele ergue um labirinto expositivo que é altamente estético, mas decididamente político - ele próprio um imaginário tangível da própria ideação da artista. Ao construir este microcosmo, Lyz Parayzo se esforça para materializar e exibir experiências cotidianas de opressão através de uma perspectiva autobiográfica. Através do exercício da autodeterminação, ela continua desafiando e denunciando as  estruturas políticas que fomentaram e permitiram que a violência sobre esses corpos persistisse sem controle.

 

Julia Tavares