Stephen Dean: Rehearsal With Props: Casa Triângulo, São Paulo, Brasil

9 Fevereiro - 16 Março 2019
Installation Views
Apresentação

Stephen Dean é um artista multimídia Franco-Americano que trabalha principalmente com aquarelas, vídeos e instalações. Suas obras baseadas no tempo evocam aproximações à cor que remetem à fisiologia e à antropologia. Trabalha frequente- mente a partir de formas ou eventos preexistentes, deixando em relevo a imediaticidade da cor, e sua habilidade de prece-der a linguagem e os códigos culturais. De modo exploratório, seus trabalhos, contemplativos e imersivos, tratam o espectro cromático como um tema espacial e social.

Em sua terceira exibição na galeria Casa Triângulo, intitulada Rehearsal with props (Ensaio com acessórios), Dean apresentará trabalhos em vidro dicróico e aquarela que continuam a expandir os limites da cor ao entrelaçar as noções de transparência e duração. Interessado nas características conceituais e perceptivas do vidro, o artista utilizou o material ao longo de toda a sua carreira. Vidro, para Dean, encarnado em suas qualidades de reflexibilidade, transparência e mutabilidade fluida, realça a transitoriedade temporal do mundo observado.

Na galeria, sua famosa escultura Ladder (Escada), uma escada sem base fixa com painéis de vidro dicróico, ao mesmo tempo reflexivos e translúcidos, parece estar em constante estado de transformação. A obra é uma escultura para além de si. Vista de perto, percebe-se densidade e saturação estranhas. Mesmo sua estrutura, toda preta, muda de tonalidade. Quando vista mais de longe, a obra se espalha no ambiente deixando difícil distinguir suas reflexões, suas projeções e suas sombras.

Na série Atlas, Dean apresenta uma espécie de sintaxe quebrada, justapondo elementos de vidro e aquarelas. Pintadas em papel de cigarro, essas pequenas obras transmitem uma sensação de imediatismo enquanto retratam fenômenos natural- mente etéreos. A simplicidade do resultado de suas obras desmente o fato de que o artista opera de maneira sofisticada e precisa, variando de movimentos suaves a gestos bruscos, nunca revelando o quadro por completo.

“As obras de Dean lidam de modo abstrato com o espaço, tanto geográfico quanto conceitual. O que conecta sua série é uma combinação de identificação comunal e especificidade no contexto das condições técnicas que nos cerca. “

Sara Reisman, diretora da Rubin foundation, Nova Iorque.